O pedido da Federação Portuguesa de Futebol e da UEFA para se constituírem como assistentes no processo que investiga Rui Pinto foi indeferido segundo diz o CM. As instituições pretendiam aceder aos segredos do hacker português e ajudar o Ministério Público na descoberta da verdade.

Os requerimentos chegaram ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) de Lisboa no dia 5 de abril. A UEFA e a Federação Portuguesa de Futebol pretendiam intervir no processo que visa Rui Pinto na qualidade de assistente. Pediam ainda autorização para consultar os autos.

A Federação e o órgão dirigente do futebol a nível europeu desejavam colaborar com o Ministério Público e auxiliar na descoberta da verdade.

Em prisão preventiva desde 22 de março, Rui Pinto, de 30 anos, foi detido na Hungria e entregue às autoridades portuguesas, com base num mandado de detenção europeu. Foram apreendidos computadores e discos externos ao pirata informático.