Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol investigado

Advertisement

O ex-árbitro Jorge Ferreira acusa o Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol de corrupção e falsificação de documentos.

Em entrevista à RTP, que será transmitida, na íntegra, esta quinta-feira, Jorge Ferreira revela que denunciou, à Procuradoria-Geral da República (PGR), “um conjunto de ilegalidades” que o Conselho de Arbitragem, alegadamente, “tem efetuado”.

“Fui eu e já fui ouvido”, declarou o ex-árbitro. “Estamos a falar de dois tipos de ilegalidade: corrupção e falsificação de documentos. As provas que tenho estão entregues à Polícia Judiciária”, acrescentou.

Segundio a RTP, a PGR já está a investigar o caso, que estará em segredo de justiça. “São mais de 30 processos legais”, garantiu o árbitro jubilado.

Alegadas pressões para favorecimento aos grandes

Jorge Ferreira também acusa o CA de pressões aos árbitros, para favorecimento aos três grandes do futebol português, FC Porto, Benfica e Sporting.

O ex-árbitro revelou, na mesma entrevista à RTP, que, antes de apitar um jogo dessas equipas, recebia um telefonema a aconselhar-lhe cautela nas decisões tomadas durante a partida. Algo que, assegurou, continua a acontecer.

“O Conselho de Arbitragem quer agradar aos árbitros e aos clubes. Os que têm poder, essencialmente os três grandes. Dependia da tabela classificativa”, contou.

Na época 2016/17, Jorge Ferreira foi despromovido da primeira categoria, por ter sido o pior classificado dos árbitros da I Liga.